Esportes

20/10/2019 - 11:20:39

"Futuro do esporte brasileiro estará ameaçado", diz presidente do COB

Paulo Wanderley, presidente do COB, explicou o que pode significar o corte de verbas por parte do governo

Autor: Da Redação

 O COB (Comitê Olímpico do Brasil) vive momento crucial na preparação voltada aos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 , ao mesmo tempo em que projeta tempos difíceis diante da ameaça de cortes no orçamento federal para os esportes no ano que vem.

 

Leia também: Brasileiros que foram bem no Pan de Lima podem repetir feito em Tóquio 2020?

 

A proposta de Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2020 enviada pelo presidente Jair Bolsonaro ao Congresso Nacional é de R$ 220 milhões para a área, a serem aplicados em programas como o Bolsa Atleta, por exemplo.

 

Despesas operacionais não estão incluídas na conta. Trata-se de uma queda de 49% em relação a 2019, quando a projeção indicava R$ 431 milhões.

 

Como recebe recursos das loterias federais por lei e conta com outras fontes de renda para abastecer o alto rendimento, o COB não será afetado no curto prazo. Mas o presidente Paulo Wanderley admite que existe um alerta sobre os próximos anos. "O futuro do esporte nos chama a atenção", afirmou o dirigente.

 

Confira o bate-papo completo:

 

Que impactos o senhor prevê em relação à proposta de Lei Orçamentária do governo federal para o esporte em 2020, com a redução pela metade dos recursos de 2019?

A responsabilidade do COB com o esporte de alto rendimento independe da Lei Orçamentária. Mas serão afetados os projetos voltados para o Bolsa Atleta, Bolsa Pódio e os de apoio ao esporte de base. Como a responsabilidade com a base é do governo federal, nosso futuro esportivo estará obviamente ameaçado com a restrição financeira.

 

O Brasil foi segundo colocado no Pan de Lima, com recorde de medalhas. No ciclo olímpico, o país está conseguindo resultados expressivos, mesmo após a seca de investimentos da Rio-2016. Por outro lado, é difícil crer em renovação. Como o senhor vê o futuro do esporte por aqui?

O futuro do esporte nos chama a atenção. Já identificamos problemas a médio e longo prazos em relação à renovação das equipes. É necessário o esforço de todos do segmento esportivo para que tenhamos investimentos que possibilitem o surgimento de novos valores para integrar as equipes olímpicas. Além disso, pensa-se muito em surgimento, mas temos atletas já identificados que precisam também de suporte para atingir o alto rendimento. Precisamos da junção de iniciativas do COB, dos clubes, do Ministério da Cidadania, das Confederações, das secretarias esporte dos Municípios e dos Estados, dos patrocinadores, enfim, de todos que participam do sistema e que possam dar suporte, promover o esporte de forma que os programas tenham sustentabilidade, consistência técnica, eficiência e continuidade.

 

A ginástica artística feminina, por exemplo, não alcançou o objetivo da classificação por equipe para Tóquio-2020. Qual é sua avaliação sobre o modelo de gestão da modalidade, que é exemplo da falta de renovação?

A falta de reposição não é característica da ginástica. É do esporte brasileiro. O número de praticantes de esportes de alto rendimento é pequeno. Nós precisamos de mais pessoas praticando mais atividade física, gerando mais atletas olímpicos. Só assim para chegarmos ao alto rendimento. Isso vale para todos os esportes. O esporte de alto rendimento caminha para levarmos atletas a superar seus limites. Muitas vezes, acontecem lesões e isso faz parte do esporte. Vários países também perderam atletas para lesões. Infelizmente, nossa equipe feminina se viu prejudicada, mas a equipe masculina obteve classificação olímpica com a mesma preparação.

 

Leia também: As vagas conquistadas pelo Brasil para as Olimpíadas de Tóquio via Pan-Americano

 

Haverá mudanças por parte do COB na gestão da ginástica, após ocorrido no feminino?

O COB e a confederação realizam avaliações permanentes de seus programas, os que obtêm e os que não obtêm sucesso. Para ter melhores processos, a avaliação é permanente e constante. Ao final de cada ciclo olímpico, são realizadas avaliações profundas sobre todo o esporte olímpico nacional. Identificamos pontos fracos e fortes. E tudo é refeito para melhorarmos nossa representação nos esportes.

 

Ao mesmo tempo em que há previsão de cortes, qual é a previsão de orçamento do COB para 2020? A gestão do legado olímpico pode entrar nesta conta, uma vez que o governo está reduzindo a fatia destinada ao esporte?

A previsão orçamentária é fechada na primeira quinzena de dezembro. A gestão do legado olímpico não é do COB. A única estrutura de legado que está com o Comitê é o Parque Aquático Maria Lenk, que é custeada com nossos recursos. No Maria Lenk, está instalado o Laboratório Olímpico, o Centro de Treinamento do Time Brasil. Atletas e treinadores de diferentes nacionalidades, além de atletas brasileiros, vêm treinando no local, que oferece estrutura de ponta para a preparação de alto rendimento. Seleções da Rússia, atletas da Itália, Grã-Bretanha, Japão, Ucrânia estão entre os estrangeiros que passaram por nosso Centro de Treinamento, em razão de sua qualidade. Para mantê-lo, investimos R$ 11 milhões anualmente e atendemos cerca de 200 atletas brasileiros por mês.

 

O que o senhor acha da possibilidade de as dívidas de confederações serem pagas com recursos da Lei Piva, como propôs a senadora Leila (PSB-DF)? Ou acredita que o COB deva manter o controle que tem hoje sobre entidades?

O COB não controla as confederações. Por força constitucional, elas têm autonomia. O projeto de lei de autoria da senadora Leila visa gerar uma oportunidade para que o esporte brasileiro equacione suas pendências, o que será positivo no curto e médio prazo para todos.

 

O presidente do COB

 

Paulo Wanderley se formou em Educação Física em 1972 e se tornou técnico de judô. Foi treinador da Seleção Brasileira de 1979 até 1993. No período, comandou o país nos Jogos Pan-Americanos de Havana-1991 e nos Jogos Olímpicos Barcelona-1992.

 

Na ocasião, foi técnico de Rogério Sampaio, hoje diretor geral do COB, na conquista do ouro olímpico. Com o tempo, Wanderley se interessou cada vez mais pelos bastidores. Em 2001, assumiu a presidência da Confederação Brasileira de Judô (CBJ), cargo que ocupou por 16 anos.

 

Em 2016, assumiu como vice de Nuzman. Com a renúncia do antecessor em 2017, suspeito de intermediar a compra de votos do Rio 2016, ele virou presidente do COB até 2020.

 

 

iG Esporte

Fonte: iG Esporte