Paraiba

25/11/2016 - 05:16:24

Reportagem flagra desvio de água no Canal da Redenção, na Paraíba

Água que devia ir para população é desviada para irrigação e açudes. Aesa alega que fiscalização é difícil de ser feita nos 35 km do canal.

Autor: Redação do Portal

A TV Paraíba flagrou dezenas de ligações irregulares retirando água do Canal da Redenção, no Sertão paraibano, que sai do açude Mãe D'água, em Coremas, e tem como destino as Várzeas de Sousa. O flagrante foi mostrado em uma reportagem no JPB 2ª Edição desta quinta-feira (24). As ligações levam a água, que deveria ser usada exclusivamente para o consumo humano, para açudes e irrigações. 

Resultado de imagem para Canal da Redenção, na Paraíba

O canal leva água para cerca de 10 mil habitantes em Sousa e Aparecida. A região do perímetro irrigado já foi uma das maiores produtoras de corro irrigado do Brasil, mas teve a produção interrompida por causa da escassez de água.

“Nós já perdemos mais de 400 pés de goiaba aqui, esse ano, e mais de 300 pés de coco, devido à escassez de água”, conta o agricultor Francisco Trajano.

Segundo o gerente executivo do Distrito de Irrigação do Perímetro Irrigado das Várzeas de Sousa (DPIVAS), cerca de 60% da água que passa pelo canal não chega até a população por causa dos desvios. Dos 400 litros de água por segundo, apenas 160 chegam e quem precisa da água para beber mal vê a chegada do líquido nas torneiras de casa. A água passa por 35 quilômetros de canal.

No início deste ano, o Tribunal de Contas do Estado da Paraíba (TCE-PB) fez uma vistoria no perímetro e denunciou vários desvios de água. Mesmo com a denúncia, as irregularidades continuam e a água é retirada à luz do dia.

O presidente da Agência Executiva de Gestão das Águas da Paraíba (Aesa), João Fernandes, disse que o órgão faz fiscalizações permanentes ao longo do canal. Segundo ele, nesta quarta-feira (23), um homem foi autuado por estar desviando água. O presidente da Aesa assumiu ainda que a fiscalização é difícil de ser executada nos 35 quilômetros do canal.

Fonte: Redação do Portal Vale do Piancó Notícias com G1