Ex-aluna de escola pública na PB estudou 9 horas por dia para fazer medicina: 'abri mão de tudo'48023

Débora Deca, de 20 anos, se identificou com a profissão após adquirir bactéria no joelho e consultar vários especialistas.

Débora, de 20 anos ficou em 1° lugar entre vagas reservadas para estudantes de escola pública da UFPB, em 2020 — Foto: Medway-JP/Divulgação

A ex-aluna de escola pública Débora Deca, de 20 anos, teve a maior nota da Paraíba entre as vagas reservadas a estudantes de escola pública. Ela foi aprovada em medicina na Universidade Federal da Paraíba (UFPB), em João Pessoa, e contou que estudava mais de 9 horas por dia, incluindo fins de semana, para realizar o sonho. Ela já era universitária, cursava engenharia, quando decidiu mudar de área após ter uma doença no joelho.

Mesmo tendo feito inscrição para as vagas reservadas para estudantes de escola pública, a nota que ela conquistou, de 795.8, a permitiria entrar no curso também pelas vagas da ampla concorrência. E ainda no primeiro período, em 16º lugar.

Débora, filha de um pastor evangélico e uma dona de casa, estudou a vida inteira em escola pública. A jovem concluiu o ensino médio na Escola Estadual Olivina Olivia Carneiro da Cunha, em 2016, sendo aprovada em engenheira elétrica, também na UFPB, em 2017.

Durante a graduação em engenharia elétrica, Débora percebeu que não se identificou com o curso e não queria seguir aquela carreira. No primeiro semestre, a jovem adoeceu após adquirir uma bactéria no joelho.

“Quando adoeci precisei consultar inúmeros médicos. Quando eu vi, eu percebi que queria isso pra minha vida. Me identifiquei com a área de trabalho, com a função de ajudar a mãe, o pai de alguém”, disse a estudante.

Débora trancou o curso de engenharia e passou a estudar para conseguir a aprovação em medicina. Em 2019, a jovem conseguiu uma bolsa de estudos em um cursinho preparatório para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), onde estudava das 8h às 21h30, de segunda a segunda.

“Eu sabia que pra passar eu precisaria estudar muito, a gente que vem de escola pública tem uma bagagem precária, por isso abri mão de tudo”, afirmou.

Jovem foi o primeiro lugar das vagas destinadas a estudantes de escola pública da UFPB — Foto: Sisu/Reprodução

Durante todo o percurso, Débora recebeu apoio da família. “Meu tio é enfermeiro e sempre me incentivou a cursar medicina e meus pais sempre tiveram a mentalidade de que eu tinha que fazer o que gosto, então sempre me apoiaram".

A aprovação em medicina já era esperada após a nota obtida no Enem e o acompanhamento da classificação na plataforma do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), mas Débora disse que não acreditou até aparecer o resultado. A estudante fez a matrícula nesta quinta-feira (30) na UFPB e acredita que a graduação será difícil, mas que, após anos de estudos, está preparada para a nova fase.

Débora estudou dois anos até ser aprovada em medicina, na UFPB — Foto: Sisu/Reprodução

 

Fonte: Redação do Vale do Piancó Notícias com G1