Clonagem de WhatsApp afeta mais de 15 mil brasileiros por dia

Mais de 470 mil pessoas tiveram contas roubadas só em setembro.

Clonagem


O dfndr lab, laboratório especializado em segurança digital da PSafe, realizou um levantamento sobre o cenário da cibersegurança no Brasil referente a setembro deste ano e divulgou os resultado na última quinta-feira (15).

De acordo com os dados coletados, mais de 473 mil brasileiros foram vítimas do golpe de clonagem de WhatsApp. Somente no último mês, uma média de mais de 15 mil pessoas por dia foram vítimas desse tipo de ação. Em comparação com agosto deste ano, o número atual foi 25% maior.

O estado de São Paulo, o mais populoso do país, concentrar o maior volume de ataques, com 107 mil vítimas. Na sequência, aparece o estado do Rio de Janeiro, com 60 mil, e Minas Gerais com 43 mil.

Crimes pela internet podem ter penas mais severas no Brasil

”A clonagem de WhatsApp é um golpe que começa com a engenharia social, um método de ataque em que uma pessoa mal-intencionada faz uso da manipulação psicológica para induzir alguém a realizar ações específicas, como compartilhar informações pessoais, baixar aplicativos falsos ou abrir links maliciosos. No caso da clonagem, o cibercriminoso pede especificamente os dados pessoais, número de celular e o código de confirmação que dá acesso ao WhatsApp da vítima”, explica Emilio Simoni, diretor do dfndr lab.


De posse do número de celular e do código de confirmação, o cibercriminoso pode acessar o WhatsApp da vítima. Após acessar o aplicativo de troca de mensagens, o golpista inicia conversas com os contatos da vítima. O executivo do dfnfdr lab conta que, em posse dos dados pessoais do dono da conta, novamente a Engenharia Social é usada para convencer amigos e familiares a prestar favores, visando ganho financeiro.

Como se proteger

Para se proteger de criminosos que querem invadir o WhatsApp, uma das formas mais eficiente é pela autenticação em dois fatores, dessa forma é necessário digitar uma senha pessoal além do código de segurança enviado pela plataforma quando for habilitar o perfil em outro smartphone.

O estado de São Paulo, o mais populoso do país, concentrar o maior volume de ataques, com 107 mil vítimas. Na sequência, aparece o estado do Rio de Janeiro, com 60 mil, e Minas Gerais com 43 mil.

Crimes pela internet podem ter penas mais severas no Brasil

”A clonagem de WhatsApp é um golpe que começa com a engenharia social, um método de ataque em que uma pessoa mal-intencionada faz uso da manipulação psicológica para induzir alguém a realizar ações específicas, como compartilhar informações pessoais, baixar aplicativos falsos ou abrir links maliciosos. No caso da clonagem, o cibercriminoso pede especificamente os dados pessoais, número de celular e o código de confirmação que dá acesso ao WhatsApp da vítima”, explica Emilio Simoni, diretor do dfndr lab.


De posse do número de celular e do código de confirmação, o cibercriminoso pode acessar o WhatsApp da vítima. Após acessar o aplicativo de troca de mensagens, o golpista inicia conversas com os contatos da vítima. O executivo do dfnfdr lab conta que, em posse dos dados pessoais do dono da conta, novamente a Engenharia Social é usada para convencer amigos e familiares a prestar favores, visando ganho financeiro.

Como se proteger

Para se proteger de criminosos que querem invadir o WhatsApp, uma das formas mais eficiente é pela autenticação em dois fatores, dessa forma é necessário digitar uma senha pessoal além do código de segurança enviado pela plataforma quando for habilitar o perfil em outro smartphone.

No ano passado, oito aplicativos contaminados com vírus stalkers foram encontrados disponíveis para download na loja de aplicativos da Google, Playstore, segundo levantamento da Avast. No total, eles foram baixados mais de 140 mil vezes. O tema de proteção de dados é recorrente e aprender como se proteger necessário. Confira cinco dicas para identificar se seu dispositivo foi infectado e, principalmente, como se proteger

Fonte: R7

QR Code


Comentários


Aviso Legal: Qualquer texto publicado na internet através doVale do Piancó Notícias, não reflete a opinião deste site ou de seus autores e é de responsabilidade dos leitores que publicam.