Número de mulheres mortas cai 25 por cento em fevereiro, na PB; um caso é investigado como feminicídio41547

No mês de fevereiro, 85 pessoas foram vítimas de Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI), sendo três mulheres.

O número de mulheres mortas no mês de fevereiro de 2019, na Paraíba, caiu 25% em relação ao mês janeiro, mas manteve a mesma proporção. Dos casos registrados pela Polícia Civil, um está sendo investigado como feminicídio.

Violência contra a mulher — Foto: Betta Jaworski/G1

Os números foram repassado pela Secretaria de Segurança e Defesa Social da Paraíba (Seds), por meio da Lei de Acesso à Informação. No mês de fevereiro, 85 pessoas foram vítimas de Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI), sendo três mulheres.

Em fevereiro de 2019, três mulheres foram mortas. Duas delas, especificamente, por homicídio doloso. O outro caso é tratado pela Polícia Civil como feminicídio.

Os casos ainda estão sob investigação, mas o investigado até o momento sobre o crime levam a um dado preliminar de feminicídio. A lei nº 13.104, sancionada em 2015 pela ex-presidenta Dilma Rousseff, inclui o feminicídio no rol dos crimes hediondos. É feminicídio o homicídio contra a mulher por razões da condição de sexo feminino, isto é, quando envolve violência doméstica e familiar, menosprezo ou discriminação à condição de mulher.

Em janeiro, metade dos homicídios de mulheres que aconteceram no primeiro mês de 2019 na Paraíba foram tratados, de forma preliminar, como feminicídio. Os casos estão sob investigação da Polícia Civil, mas foram cometidos pelo companheiro ou ex-companheiro das vítimas. Quatro mulheres foram assassinadas em janeiro deste ano. Duas delas podem ter sido mortas simplesmente por serem mulheres.

Feminicídios em 2018
Nos primeiros nove meses de 2018, 31% dos homicídios dolosos de mulheres foram considerados feminicídios, de acordo com os dados do Monitor da Violência, divulgados pelo G1 no Dia Internacional da Mulher. Das 77 mulheres vítimas de homicídio, 24 delas morreram por questões relacionadas ao gênero. 

Fonte: Redação do Portal Vale do Piancó Notícias com G1