Tratamento gratuito melhora qualidade de vida de pessoas com Alzheimer em estágio leve, na PB47823

Tratamento oferecido em pesquisa da UFPB está previsto para iniciar no final de janeiro, com duração de 60 dias e frequência de três vezes na semana. Projeto ainda aceita candidatos.

UFPB oferta tratamento gratuito para pessoas com Alzheimer em estágio leve durante pesquisa — Foto: Divulgação / Laben-UFPB

A Universidade Federal da Paraíba (UFPB) está promovendo tratamento gratuito para pacientes com sintomas ou diagnóstico de Alzheimer em estágio leve. Serão atendidos oito pacientes com idades superiores a 60 anos. O início do tratamento está previsto para ocorrer no final do mês de janeiro, com duração de 60 dias e frequência de três vezes na semana. O projeto ainda está aceitando candidatos.

O Laboratório de Estudos em Envelhecimento e Neurociências da Universidade Federal da Paraíba (Laben-UFPB) está realizando a pesquisa intitulada de Neuroestimulação e treinamento cognitivo na Doença de Alzheimer. As inscrições podem ser realizadas pelo telefone (83) 9 9994-7407, pelas redes sociais do Laben-UFPB ou pelo e-mail [email protected]

De acordo com a professora Suellen Marinho Andrade, a cada dois meses, oito pacientes serão acompanhados recebendo intervenção cognitiva e estimulação cerebral. "O objetivo da pesquisa é avaliar se a estimulação cerebral pode aumentar os efeitos da intervenção cognitiva e, com isso, estabilizar o estágio da doença por mais tempo, fornecendo maior qualidade de vida aos pacientes", explicou.

No tratamento será utilizado a TDCS, um instrumento de baixa intensidade, que induz mecanismos de neuroplasticidade. "O neuroestimulador é portátil, seguro e não oferece riscos à saúde dos pacientes. Consegue alcançar áreas do cérebro que foram danificadas pela doença", afirmou a professora.

De acordo com os pesquisadores, o instrumento pode ser capaz de proporcionar efeitos positivos e até trazer mais de qualidade de vida. Os pacientes que apresentarem melhoras significativas poderão continuar recebendo acompanhamento por mais um ano.

Fonte: Redação do Vale do Piancó Notícias com G1